01 junho 2016

Metáfora da Mala

Metáfora é uma figura de linguagem, é uma comparação de palavras em que um termo substitui outro. É uma ferramenta linguística muito usada no dia-a-dia. Pesquisa recente mostra que o ser humano usa, em média, quatro metáforas por minuto. 

Suponha uma dada viagem: ir a um país distante ou a outro Estado. Como proceder? Depois de ter comprado as passagens, caso fôssemos de ônibus ou de avião, temos que pôr os nossos pertences, ou seja, roupas, sapatos, artigos de higiene pessoal, livros, aparelhos digitais, em uma mala. Se optarmos por uma mala grande, podemos jogar as coisas de qualquer jeito. Ainda assim sobrará espaço. Se a mala for pequena, teremos mais trabalho para arrumar.

Na mala grande, não havíamos nos deparado com a escassez; na mala pequena, ela aparece, ou seja, escassez de espaço. Esta metáfora pode ser aplicada em muitos aspectos de nossa vida. O tempo, por exemplo, é bem ilustrativo. Se temos muito tempo livre, podemos assistir a um filme, ir ao teatro, passear pelo campo etc. O tempo limitado, faz-nos cortar um ou outro evento. 

Observe, também, a exposição de uma palestra. Quando os organizadores de um evento qualquer limitam o tempo dos palestrantes, estes são obrigados a cortar aqui, tirar algo ali, esforçando-se para que o assunto caiba dentro do tempo disponível.

O que podemos aprender com isso? Para que possamos tirar o máximo proveito das coisas, cortemos sempre o supérfluo. Lembremo-nos de José Ortega y Gasset, que diz: "A lei seca da arte é esta: 'Ne quid nimis', nada além do necessário. Tudo o que é supérfluo, tudo aquilo que podemos suprimir sem alterar a essência é contrário à existência da beleza."


Complemento

Conta-se uma fábula sobre um homem que caminhava vacilante pela estrada, levando uma pedra numa mão e um tijolo na outra. Nas costas carregava um saco de terra; em volta do peito trazia vinhas penduradas. Sobre a cabeça equilibrava uma abóbora pesada.

Pelo caminho encontrou um transeunte que lhe perguntou: 'Cansado viajante, por que carrega essa pedra tão grande?'

'É estranho', respondeu o viajante, 'mas eu nunca tinha realmente notado que a carregava.' Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor.

Em seguida veio outro transeunte que lhe perguntou: 'Diga-me, cansado viajante, por que carrega essa abóbora tão pesada?'

'Estou contente que me tenha feito essa pergunta', disse o viajante, 'porque eu não tinha percebido o que estava fazendo comigo mesmo.' Então ele jogou a abóbora fora e continuou seu caminho com passos muito mais leves.

Um por um, os transeuntes foram avisando-o a respeito de suas cargas desnecessárias. E ele foi abandonando uma a uma. Por fim, tornou-se um homem livre e caminhou como tal. (Qual era na verdade o problema dele? A pedra e a abóbora?

Não.

Era a falta de consciência da existência delas. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas bem depressa e já não se sentia mais tão cansado. Esse é o problema de muitas pessoas. Elas estão carregando cargas sem perceber. Não é de se estranhar que estejam tão cansadas!

O que são algumas dessas cargas que pesam na mente de um homem e que roubam as suas energias? 
a. Pensamentos negativos. 
b. Culpar e acusar outras pessoas. 
c. Permitir que impressões tenebrosas descansem na mente. 
d. Carregar uma falsa carga de culpa por coisas que não poderiam ter evitado. 
e. Auto-piedade. 
f. Acreditar que não existe saída.

Todo mundo tem o seu tipo de carga especial, que rouba energia. Quanto mais cedo começarmos a descarregá-la, mais cedo nos sentiremos melhor e caminharemos mais levemente."  


Extraído do livro "Psycho-Pictography", de Vernon Howard.

Publicado em: http://metaforas.com.br/a-mala-de-viagem




19 maio 2016

Curso de Terapia Cognitivo Comportamental

CURSO DE TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL

Compatível com dispositivos móveis.

Este curso online conta com: vídeo aulas, apostilas, professor.

Os principais tópicos do Curso de Terapia Cognitivo-Comportamental são:

Unidade 1 – Terapia Cognitivo Comportamental

Introdução
O que é terapia cognitivo-comportamental?
Fundamentos da terapia comportamental
Fundamentos da terapia cognitiva
Mitos e esclarecimentos

Unidade 2 – Processo Terapêutico

Componentes do processo terapêutico
Conceitos básicos
Estrutura das sessões
Papel do terapeuta
Relação terapêutica
Objetivos e metas
Tarefas de casa
Técnicas cognitivas e comportamentais
Término ou alta terapêutica

Unidade 3 – Tipos de Atendimento

Atendimento de criança
Atendimento de adolescente
Atendimento de família
Atendimento de casal
Atendimento de grupo

Unidade 4 – Tipos de Transtornos

Transtornos tratados pela terapia cognitivo-comportamental
Transtornos de ansiedade
Transtornos do pânico
Fobia específica
Fobia social
Estresse pós-traumático
Transtorno obssessivo-compulsivo
Transtorno de ansiedade generalizada
Transtornos de humor
Transtorno afetivo bipolar
Depressão
Distimia

Link para o Curso de Terapia Cognitivo Comportamental dos Cursos 24h



19 abril 2016

Início de Discurso: Alguns Exemplos

Apologia a Sócrates (Platão)

Ignoro a impressão que vos causaram os discursos de meus acusadores, homens de Atenas; porém, eu ouvindo-os, por pouco não me esqueci de quem sou, tão convincentes foram. Claro que a verdade estava completamente ausente neles. Entre o grande número de suas mentiras surpreendeu-me, particularmente, a afirmação de que deveis ter cuidado para não deixar-vos enganar por mim, por ser eu um grande orador. Não se considera um grande orador, a menos que um grande orador seja aquele que diz a verdade. Os discursos de meus acusadores não contêm um vestígio de verdade, eu, porém, vou dizer toda a verdade...

18 abril 2016

Os Três Inimigos da Oratória

Max Eastman, publicista e romancista contemporâneo, no artigo "Oratória, a Arte Esquecida", em Titãs da Oratória, esclarece-nos que "o verdadeiro orador não é loquaz, mas não existem grandes oradores". Diz-nos, também, que na sua melhor acepção, a oratória é uma arte dramática, em que o orador fala sobre algum assunto que preparou antes. Poderíamos melhorar essa arte se soubéssemos claramente os fatores que lhe são negativos. 

O principal inimigo do orador é o microfone. Demóstenes, renomado orador grego, disse que as três qualidades essenciais da oratória sui generis são: a ação... a ação... a ação. Quem ouve, através do microfone, perde essas três. Ninguém vai decorar um discurso para ficar parado como um poste e dizê-lo pelo microfone. 

Outro inimigo da oratória é a ideia que ele é fruto da "inspiração". O bom discurso — como diz Cícero — há de ser "cuidadosa e trabalhosamente elaborado", e, se o foi — afirma também o grande orador romano — seu estilo terá força capaz de impelir o orador, caso se ofereça oportunidade, ao improviso com a mesma eloquência — é como se fosse um barco que, em plena marcha, mantém o rumo e o movimento, mesmo quando os remadores descansam os remos. 

O terceiro inimigo da oratória é a crença errônea de que é necessário falar muito depressa se desejarmos causar impressão. Os grandes estadistas falam devagar. Vez ou outra até param para que o público possa absorver o raciocínio que estavam desenvolvendo. 

In: Titãs da Oratória (Volume X). Tradução do Dr. Silvano de Souza. 2.ed., Rio de Janeiro: El Ateneo, 

13 abril 2016

Notas do Livro "Oratória Descomplicada"

Notas extraídas do livro Oratória Descomplicada, de Adriane Werner.

Introdução

Desde a Antiguidade, as habilidades de comunicação são admiradas nas pessoas. Para que alguém seja comunicativo, ele não precisa ter nascido com dom especial. Basta um pouco de boa vontade e muito treino. 

A tradição oral era a tônica na Grécia Antiga. Na época, os gregos só liam em voz alta. 

Demóstenes, considerado o maior orador grego, era feio, franzino, gago e cheio de cacoetes. Com muito treino e muito sofrimento físico, como por exemplo, colocar pedras na boca para melhorar a dicção, tornou-se um grande orador. 

Lembrete: em todas as áreas de atuação, os profissionais mais comunicativos tendem a obter melhores resultados. 

04 abril 2016

Notas do Livro "Confissões de um Orador Público"

Notas do livro Confissões de um Orador Público, de Scott Berkun.

AVISO LEGAL

Este livro é muito dogmático, pessoal e cheio de histórias de bastidores. 

Embora tudo neste livro seja verdadeiro e escrito para ser útil, se você nem sempre gosta de ouvir a verdade, ele pode não ser para você. 

Este livro é escrito com fé na ideia de que se todos falássemos com ponderação e ouvíssemos com cuidado, o mundo seria um lugar melhor. 

02 fevereiro 2016

Sentindo-se Leve: Desfazendo-se do Supérfluo

Talvez não percebamos de pronto, mas a cada dia que passa acrescentamos diversos bens ao estoque já existente: uma peça de roupa, um livro, um aparelho de som, uma televisão, um rádio etc. Vamos preenchendo todos os espaços vazios de nossa casa. Se não fizermos uma varredura, as coisas vão se acumulando e, nesse sentido, mais trabalho temos para deixá-los limpos, desempoeirados. 

Que tipo de exercício poderíamos fazer? Ao espanarmos a poeira dos livros, verifiquemos aqueles que não terão mais necessidade para nós. Separemos do resto e enviemos a uma casa de caridade, ou mesmo aos sebos, para entrarem em circulação e serem úteis a um outro irmão do caminho. Abramos o nosso guarda-roupa e façamos o mesmo: separemos as peças que não nos servem mais e doemos a uma entidade assistencial. Em seguida, apliquemos este raciocínio a todos os outros pertences. 

Qual o resultado? Sentimos uma leveza de espírito. Parece que deixamos o velho, o supérfluo, o antigo. A nossa mente fica rejuvenescida, pronta para receber novos ensinamentos, novos conhecimentos. Esse esforço de jogar fora no lixo liberta-nos daquele presente dado por tal parente, daquela roupa dada por tal pessoa de nosso convívio. 

A Concentração e o Barulho Externo

A presença de barulho externo é uma constante em nossas vidas: aparelho de som, rádios, conversas, instrumentos musicais etc. Em virtude dessa ocorrência, podemos debruçar o nosso pensamento sobre a concentração, no sentido de amenizar as nossas dificuldades de atenção. 

O que se entende por concentração? É a capacidade de se forçar a sustentar por um longo período um bom nível de eficácia durante uma atividade específica.

A capacidade de concentração varia para cada um de nós. Além disso, devemos considerar a influência do cansaço, as preocupações, a tristeza e os desafetos. Lembremos, também, que o esforço de atenção durante uma tarefa muito complexa não pode ser mantido por muito tempo. Por outro lado, as tarefas simples e repetitivas induzem-nos ao desleixo e ao comodismo. 

Quer queiramos quer não o problema está em nós. Queremos culpar o vizinho que liga o seu aparelho no último volume, o irmão que toca a sua guitarra, aquele outro que ouve a sua estação de rádio favorita. Temos que exercitar a concentração. Para tanto, uma bomba ao lado não deve alterar o nosso estado de atenção. 

Façamos uma couraça de proteção. Enviemos ao nosso cérebro vibrações positivas, desviando-o dos pensamentos negativos, daqueles que tentam nos jogar para a desilusão. Sem esforço, o resultado é nulo. 

01 fevereiro 2016

Memória: Seis Etapas para uma Boa Memorização


1. O interesse e a motivação

Guardamos com mais facilidade o que queremos guardar, mas também o que temos de guardar. O conselho vale para todos: definir um objetivo ou ter um projeto, mesmo que frívolo (lembrar-se de piadas para contar aos amigos, citações para impressionar as pessoas...), é o melhor dos estímulos.

2. A atenção

É a condição prévia para qualquer memorização: sem atenção, não recebemos corretamente as informações. O repouso, um ambiente propício (calmo, bem iluminado), uma boa receptividade sensorial (qualidade da visão e da audição) e a ausência de estresse são essenciais para captar corretamente as informações que devem ser retidas.

3. A elaboração de imagens mentais

É ao criar imagens mentais que nos conscientizamos daquilo que os sentidos estão nos transmitindo: a informação é visualizada e transcrita na forma de palavras. Essa apropriação mental das percepções é a primeira etapa do processo de memorização.

4. A organização das informações

Ordenar, dar sentido, hierarquizar: isso ajuda a fixar os conhecimentos e a integrar essas informações corretamente no estoque da memória de longo prazo. 

5. A repetição

Para memorizar bem é preciso fazer o esforço de repetir, às vezes, até decorar. E é reativando regularmente as informações, para fazer uma revisão, por exemplo, que teremos mais chances de fixá-las na memória de longo prazo. 

6. A transmissão de informação 

Revisitar e reformular os fatos e os conhecimentos usando suas próprias palavras para contar, escrever, explorar ou resumir é uma maneira muito eficaz e ativa de fixar as lembranças. 

Observação importante: a única forma de reter informações no longo prazo é treinar a regularidade. Nesse sentido, os escritos permanecem: pode ser um resumo, podem ser notas tomadas durante uma conferência que depois são passadas a limpo, ou ainda a história de um filme, um livro, a narrativa de uma viagem, um diário - cada vez que formulamos informações ou lembranças,  nós as fixamos um pouco mais na memória.

Cópia a partir de Um cérebro para a vida inteira, tradução de Ana Valéria Lessa e outros. Rio de Janeiro: Reader's Digest, 2010. 

16 setembro 2015

Notas do Livro "Seu Filho Pode Ser Einstein"



"Aprendizagem é experiência, todo o resto é informação." (Albert Einstein)

Albert Einstein transformou nossa visão do espaço e do tempo e substituiu em definitivo a mecânica quântica de Newton.