18 agosto 2010

Escrita e Redação Módulo I

NOTAS SOBRE O CURSO DE ESCRITA E REDAÇÃO (MÓDULO I) DO CURSO 24 HORAS ONLINE
O maior pesadelo da grande maioria das pessoas quando vai prestar processos seletivos como vestibulares e concursos públicos ou até mesmo participar de seleções para empregos, é a Redação.
Tipos de linguagem:
  • Linguagem oral
  • Linguagem escrita
  • Linguagem denotativa
  • Linguagem conotativa
Muitas pessoas confundem tema com título na hora de escrever um texto. Quando nos é pedido para escrever um texto a respeito de determinado assunto, muitas vezes, colocamos no lugar do título o tema sobre o qual nos foi pedido escrever.
Os momentos da produção textual
  • Inspiração
  • Transpiração
Tipos de redação
  • Narração
  • Descrição
  • Dissertação
  • Cartas
  • Ofícios
  • Relatórios
  • Atas
  • Resumos
  • Poesias
  • Autorização
  • Declaração
"Qualquer um de nós, senhor de um assunto, é, em princípio, capaz de escrever sobre ele. Não há um jeito especial para a redação, ao contrário do que muita gente pensa. Há apenas uma falta de preparação inicial, que o esforço e a prática vencem”. (J. Matoso Câmara Jr.)

Para mais informações, matricule-se no: Curso de Escrita e Redação
ver mais

Chefia e Liderança Módulo I

NOTAS SOBRE O CURSO DE CHEFIA E LIDERANÇA (MÓDULO i) DO CURSO 24 HORAS ONLINE

Segundo o dicionário do Aurélio, liderar quer dizer... “Dirigir na condição de líder...”,

Os 12 maiores atributos da chefia e liderança são:

1) Disposição para tentar o que não foi tentado antes;
2) Automotivação;
3) Uma percepção aguda do que é justo
4) Planos definidos;
5) Perseverança nas decisões;
6) O hábito de fazer mais do que aquilo pelo qual se é pago;
7) Uma personalidade positiva;
8) Empatia;
9) Domínio dos detalhes;
10) Disposição para assumir plena responsabilidade;
11) duplicação;
12) Uma profunda crença em seus princípios.

É fundamental que todo e qualquer trabalho em equipe otimize todo o potencial dos seus membros.

Além do conhecimento técnico do trabalho para o qual você foi ou será designado a chefiar, o que se espera é que de parte dos chefes haja uma capacitação para envolver a equipe de trabalho na obtenção dos resultados previstos.

Para mais informações, matricule-se no: Curso de Chefia e Liderança
ver mais

Como Falar em Público Módulo I

Notas sobre o Módulo I do Curso "Como Falar em Público", pelo Curso 24 Horas Online

Falar em público inclui-se entre as situações que mais geram ansiedade, preocupação e sentimentos de impotência para gerenciar os próprios atos.

Os motivos desse temor são:

  • Perfeccionismo;
  • Nervosismo;
  • Auto-imagem negativa;
  • Excesso de autocrítica;
  • Barreiras verbais e não-verbais;
  • Sensação de ridículo;
  • Instabilidade emocional;
  • Desmotivação para superar desafios;
  • Cobranças internas e externas;
  • Inexperiência na função;
  • Apresentações anteriores frustrantes;
  • Medo da responsabilidade proveniente do sucesso;
  • Falta de treino, bem como de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias à comunicação eficaz.
Se alguém lhe pedir que faça uma palestra em público, qual será a sua reação? Se você for como a maioria das pessoas, entrará simplesmente em pânico!

O receio de não conseguir cativar o público é comum. Em primeiro lugar, tire da cabeça a ideia de que o público está lá para criticar você.

O comunicador perfeito é aquele que se faz entender e fala bem, com técnica, fluidez, elegância e naturalidade em toda e qualquer situação: formal e informal, para um pequeno ou grande número de pessoa.

Nunca faça uma apresentação sem conhecer algumas informações básicas: para quem você vai falar, o que esse público quer ouvir, quanto tempo você terá, se você será o único orador, qual a ordem das apresentações, se haverá um período para perguntas e respostas, se você vai falar durante uma refeição, o local da apresentação, que instrumentos estarão à sua disposição (retroprojetor, computador com programa para fazer apresentações, televisão, lousa, etc.).

Para mais informações, matricule-se no: Curso "Aprenda a Falar em Público"
ver mais

Propaganda e Marketing (Módulo I)

Notas sobre o módulo 1 do Curso de Propaganda e Marketing, do Curso 24 horas.

Marketing é toda a atividade dirigida para a satisfação das necessidades e desejos do consumidor.

As necessidades podem ser físicas ou psíquicas (status).

Os instrumentos de ação do marketing são: Produção, Preço, Distribuição (ponto-de-venda) e Publicidade (propaganda, mala-direta, cortesias, promoções).

A função do marketing é entender a necessidade e os anseios do consumidor, fornecendo-lhe produtos e serviços que atendam às suas necessidades.

Desejos são carências por satisfações especificas que atendam às necessidades.

Demandas são desejos por produtos / serviços determinados, respaldados pela possibilidade de aquisição.

Os consumidores podem obter produtos de quatro maneiras diferenciadas: autoprodução, coerção, mendicância e troca. O Marketing se baseia na troca, ou seja, em obter o produto ou serviço em troca de algo (normalmente uma quantia em dinheiro).

“Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtém o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de produtos de valor com outros” – Philip Kotler.

Os diferentes tipos de marketing:
  • Marketing direto, surgido na década de 1960;
  • Marketing de relacionamento, em 1990;
  • Marketing de fidelização ou de retenção;
  • Marketing de transação;
  • Marketing social;
  • Marketing institucional;
  • Marketing internacional;
  • Marketing digital ou webmarketing
Segundo Philip Kotler, “talvez a habilidade mais diferenciadora dos profissionais de marketing é sua habilidade para criar, manter, proteger e enriquecer marcas”.

Motivação é um processo responsável pela intensidade, direção e persistência dos esforços de uma pessoa para atingir uma determinada meta.
Segundo o psicólogo David McClelland, realização, afiliação e poder são as três bases motivacionais.

Para mais informações, inscreva-se no:
Curso de Propaganda e Marketing
ver mais

06 agosto 2010

Leitura em Voz Alta

Exercitemos a leitura em voz alta; ela é uma verdadeira arte e, talvez, bem mais difícil e complexa do que a representação teatral. A leitura em voz alta educa os músculos da fonação e da articulação, disciplinando os movimentos respiratórios. Ajuda-nos, também, a ouvir melhor e prestar mais atenção aos discursos.

Diz-se que a memória retém mais fortemente a palavra ouvida que o vocábulo lido. Nesse caso, uma boa técnica é gravar a palestra (ou aula) e ouvi-la, para depois transmiti-la ao público. Além de fixar melhor as ideias, o orador aprenderá a expô-las de modo vivo, com frases bem feitas, naturais e agradáveis.

Para encontrar o tom de uma frase, façamos uso desses exemplos: 1) “Bom dia, como está você?” (tom médio da voz); 2) depois da chuva forte, encontramos um táxi e perguntamos: “Está livre?” (tom agudo); 3) ao virarmos uma esquina, encontramos uma pessoa bêbada e dizemos: “Que horror!” (tom grave da voz)
Lembremo-nos de que cada vocábulo tem um só acento tônico. O acento tônico de verdadeiramente é men; o de fertilidade, da. O Dr. Oliveira Guimarães, diz que nossa língua tende para o ritmo binário e ternário, ora sílaba forte, ora sílaba fraca. Exemplos: 1) Casa [Ca (forte); sa (fraca)]; 2) Lâmpada [Lâm (forte; pa (fraca); da (fraca)]; 3) Papai [Pa (fraca); pai (forte)]

Instruções para a boa respiração:

1) Manter a posição do tórax reta e completamente livre.
2) Nunca se pronuncie um som que seja, quando estiver inspirando.
3) Nunca respire no meio de uma palavra, no meio de uma frase.
4) Nunca esperar que os pulmões se esvaziem completamente de ar para enchê-los.
5) Procurar as vogais, principalmente a conjunção e, quando se vai dar a passagem de um membro da frase para outro e aí respirar.

Mais conselhos práticos:

1) Nunca emitir um som sem ter os pulmões cheios de ar.
2) Respirar bem. Nunca falar, inspirando.
3) Nunca forçar a voz, principalmente quando se está resfriado ou enfermo.
4) Não falar ao ar livre, máxime, no tempo frio.
5) Evitar o fumo, o álcool, as pastilhas cáusticas, os agasalhos do pescoço.
6) Nunca falar, quando houver barulho ao derredor, para não forçar as cordas vocais.
7) Ficar em silêncio entre uma conversa e outra entre uma em voz alta e outra consecutiva, e muito mais entre dois discursos. As cordas vocais necessitam de repouso.
8) Parar imediatamente ao se sentir cansado.
9) Nunca atender a bis.

Fonte de Consulta:

BUENO, Silveira. Manual de Califasia, Califonia, Calirritmia, e a Arte de Dizer. 7. ed., São Paulo: Saraiva, 1966.

ver mais

04 agosto 2010

Dicas para Ler em Público

1. Treinar a leitura. Nada de ler sem um preparo anterior.
2. Ler o texto de trás para frente e vice-versa.
3. Destacar as palavras chave (em negrito) para a entonação da voz.
4. Fazer marcações das pausas, inflexões e ênfases expressivas.
5. Formatar o texto com fonte grande e espaço duplo. Se possível, usar apenas os dois terços superiores da página.
6. Procure saber o significado de todas as palavras do texto.
7. Preste atenção à pontuação do texto. É bom saber por que uma vírgula está em determinado lugar e não um ponto final.
8. Variar as inflexões conforme o sentimento sugerido da frase.
9. Desgrude os olhos do papel. Olhe para o público a cada duas ou três palavras ditas ou antes das pausas mais expressivas.
10. Pronunciar a última frase de seu discurso ou apresentação sem olhar para o texto dá bons resultados. Decore a frase e na hora baixe o papel com o braço estendido ao lado do corpo, isso vai lhe conferir um certo ar de improviso e segurança.

Fonte de Consulta:


ver mais